going and coming

As pessoas vem e vao. Tautológico eu sei.  Com os anos, sao tantas as pessoas que vao…     Eu precisava muito daquela conversa com o F. Tudo parecia muito claro depois de ouvi-lo falar. Um dos maiores elogios que ouvi de K. foi que F. e eu éramos um todo dividido. A gente se parece muito.  Basicamente nao é novo. Basicamente eu ja sabia, basicamente eu sempre soube. Basicamente nunca foi. Patético quase.

Terminei finalmente a Luce. A mulher escreve muito bem, e muito bonito. O que fica do livro é uma sensação de reconhecimento, de identificação e de surpresa. Seria com certeza um tópico interessante pro doutorado,  com cinema, com psicanálise.

O dia rendeu boas fotos, rendeu bom textos, rendeu. Acho interessante que mr P diga que penso muito, quando é ele que se preocupa demais. Clichés me cansam fastidiosamente, e ele é um grande cliché. Essa coisa de que nada mais o surpreende, que ele ja viu tudo isso, que canseira! Que tédio deve ser nao se surpreender com mais nada e ninguém. E que prepotência! O mundo é tao fantástico e as pessoas ainda mais, como é que isso pode ficar monótono???

Claro, claro, existe um padrão talvez.

G. andava pela casa semi nu. Tinha uma poesia nos passos que me surpreendeu muito. Me deu um beijo e saiu com o computador na mao, lendo as noticias. Voltou alguns minutos depois, eu ja com o sartre nas maos lendo prazerosamente. Ficou sem jeito, me deu outro beijo e disse que me amava mesmo eu amando outro. No caso, o Sartre. Meu homem é de uma beleza inexplicável, mas muito persuasiva.

Meu domingo acabou muito cedo.

k

=)

 

 

Advertisements

The Ides of March

Truth is I like George Clooney as director. I like his long shots, his close ups and of course the stories. It was like that in Good night and good luck, and now with The Ides of March. But as usual the weekend passed by to fast and I didn’t do everything I wanted to, counting the hours for my vacation.

In between Julia Kristeva and Keruac I find my way through my week.

k

The last day of Abigail

I was wondering how it would have been if I had stayed. Looking back now it feels like every step, all the mistakes and hits led me to right here and now. It is a sort of bitter sweet feeling, and today while we were dancing in the living room I realized that the huge gap between us was because of this sadness, unmeasurable. And yet this is what keeps us close, what keeps us longing for each other, like something you can never reach.

In a way, I was never there.

The day started white, the snow falling outside made me think about the readings I wanted to do today and all the movies on my list sitting there waiting for me. It took me a few minutes to decide  where to start, movies first, books after, email to friends and phone calls by the end of the day. But that feeling wouldn’t leave me alone. What had happened if I had stayed? What happened to my old friends and their long hairs? We were all so alone and so lost, and yet how lucky we were! I figured that having no certainties was what made us all free, and what brought me here.

I read Judith Butler and saw some movies from my list, some others that I found it could be good. I enjoy my solitude, every part of it.

And I will never know why she didn’t call me Abigail.

k

In love with Luce.

Image

O tempo escorre mais rapido do que eu gostaria e mesmo tentando fazer de Chronos um aliado nem sempre consigo fazer tudo o que gostaria: trabalho em demasiado, namoro em todos os possíveis minutos, cinema, e ler. Mas ando apaixonada pela Luce…

Irigaray3

Acho interessantissimo as questões que ela levanta sobre a exploração da intersubjetividade e a necessidade de se criar o sujeito feminino. A forma como escreve me instiga a reler outras grandes obras como O Segundo Sexo e Os poderes do Terror respectivamente de Simone de Beauvoir e Julia Kristeva. Sao questoes muito pertinentes e cada vez mais recentes.

O blog andou esquecido por pura falta de tempo. Varias coisas interessantes aconteceram nestes ultimos dias mas faltava poética, faltava lirismo, e sobrava muito sono e a escrita nao saia. Ficou restrita à umas folhas perdidas que quem sabe um dia virao a tona.

O amor é ainda e sera sempre provavelmente o que mais me surpreende. Reduz todos os outros sentimentos à impertinência e triunfa soberano. Essa busca à transcendência, ao confrontamento, é o que move o mundo e o que me move.

Saudades dos amigos, dos de perto, dos de longe, dos atemporais.

K

 

Exaustion

Quinta feira e eu ja estou pedindo pausa! Fazer todas as coisas com as quais me comprometi a fazer esta sendo mais cansativo do que eu imaginava: eu to basicamente um zumbi andando pelas ruas montrealesas, de trabalho a trabalho, de classe a classe… Robert Rodriguez que me aguarde!

Mas incrivelmente ha varios pontos positivos! A conta de energia aqui de casa vai cair horrores ja que nao ha nunca alguém em casa! Nao so de energia mas de telefone também!, rs!! Nao, falando sério, eu to dando bem conta do recado, entao isso me faz feliz.

Além disso, meus livros devem estar chegando! (Eu ando pensando sériamente em comprar um tablet da amazon… seria muito mais facil andar pra la e pra ca com um tablet do que com um livro pra incrementar o peso da minha mochila…

Hoje é quinta. Ainda bem!

k

 

a 3 job kind of thing

O mes de outubro começou com força total. 3 trabalhos e uma vida social em declínio, e muitos planos pro futuro.

Pois é, me dei conta de que nao quero começar o doutorado agora. Nao to apaixonada pelo meu tema, entao nao tem tema. Cinco ou mais anos da minha vida dedicados a um doutorado sem paixao nao me pareceu a melhor idéia. Tenho 3 trabalhos: dou aulas pra um colégio de meninas, trabalho pra uma produtora shooting and editing e trabalho pra uma multinacional do mau. O resultado de tudo isso é de certa forma interessante… Mas confesso que dar aulas pra um grupo de brats nao é at all parecido com dar aulas no Brasil. Adaptaçao total. O trabalho na corporation do mau, bem, é preciso ter uma visao foucaultiana da coisa pra nao desandar… ha que se encontrar formas clandestinas de se lutar contra o sistema. Foucault ja dizia que nao ha como lutar contra o sistema sem fazer parte dele. I am trying to keep my focus on that.

Estou menos cansada do que imaginava e desenvolvendo projetos interessantes em cinema e fotografia, interessantes pra mim ao menos. To trabalhando num projeto de um filme shot frame by frame, vai dar um certo trabalho mas  o resultado vai ser bacana. A estoria é sobre um rapaz struggling to find his place in life, given that he already has a life, a wife, a job… that he is not sure he likes. Vai ser algo curto, 5 a 8 minutos max pq o numero de frames pra fazer isso ja vai ser assim algo enorme.

Ando ouvindo muito king of leon, eles me fazem pensar em pretty in pink. Adele me faz pensar em breakfast club. É esse o nivel nostalgico do momento. Também to lendo o Dalai Lama e tentando dar sentido ou inicio a uma vida espiritual quase inexistente. A vida espiritual pode tambem ser uma vida meditacional? se sim, até que nao vou tao mal assim.

Fall chegou e as cores sao impressionantes. Fall é sem duvida o periodo do ano que mais gosto. Nesta época do ano eu e G. fazemos varios caminhos em moto pelo interior do quebec e sao landscapes como este que econtramos por ai. Quebéc é bonito nesta época do ano.

No mais, fica ai um trechinho de uma musica do eddie vedder que eu gosto muito, without you.

For every wish upon a star
That goes unanswered in the dark
There is a dream I’ve dreamt about you

k

PJ twenty

Pearl Jam é com certeza uma das minhas bandas preferidas, cresci ouvindo Black e Alive, numa adolescencia conturbadíssima e cheia de mortes pearl jam e saramago eram meus amigos mais queridos.

Ha algumas semanas atras Pearl Jam esteve em Montréal iniciando sua tour PJ 20, em comemoração dos 20 anos da banda. O show foi memorável, ver o Eddie tao de perto com sua voz linda, ver o Jeff com o baixo, putz, legendário! Chorei muito e me senti muito muito feliz em estar ali naquele momento! Primeiro show do tour foi bem especial. Sem falar que fui com minha amiga Jenni!

Esta semana, no dia 20, o documentario da banda estreiou em todo mundo, uma unica exibição e é claro, eu estava la! Um pequeno documentário da minha própria vida passava pelos meus pensamentos enquanto eu via aquele filme… Tanta coisa mudou nestes anos que se passaram… pessoas desapareceram, sonhos mudaram, a paisagem é outra, reinventada de pequenas parafernalhas do passado que essas nao passam jamais.

Os tempos mudam e essa maturidade tao esperada parece meio pálida, nao so pra mim como pro Pearl Jam. A vida apresenta outros desafios e a sensação de certeza é um pouco escassa.

Meu pai sempre dizia (e ainda diz) que é melhor a incerteza pq ela proporciona possibilidades, a certeza é algo muito fechada em si mesma. Eu concordo, é verdade. O que ele esqueceu de dizer é que o desconforto da incerteza nem sempre é apreciado…

Talvez a maturidade seja uma certa conformidade. Conformar-se que nao se sabe. Cliche, mas é verdade…

k